Com uma equipe de 120 profissionais escalada para a cobertura da Copa do Mundo da África do Sul, Globo e SporTV estudam contratar seguranças para tentar evitar problemas em zonas mais violentas de cidades como Johannesburgo.
Segundo a coluna “Outro Canal”, da Folha de S. Paulo, uma das razões do alarme é Hillbrow, na vizinhança do Ellis Park, em Johannesburgo, onde o Brasil estreia em 15 de junho, contra a Coreia do Norte.
A taxa de homicídios registrada ali, entre março de 2008 e abril de 2009 (último dado disponível), foi de 88 por 100 mil habitantes –mais do que o dobro da média nacional e oito vezes a de São Paulo.
A Record, que não detém os direitos sobre os jogos –comprados por Globo e Band–, mas quer produzir uma cobertura alternativa dos bastidores do evento, já assegurou os serviços de uma empresa privada para proteger seu caminhão link, o modelo que transporta equipamentos de transmissão.